• Botão para acessar Certificado Digital
  • Botão para acessar Boa Vista SCPC
Botão para acessar Certificado Digital Botão para acessar Boa Vista SCPC
11/05/2021

Mandetta: com pessoas na faixa dos 50 anos vacinadas, economia reaquece

O ex-ministro da Saúde debateu com empresários na ACSP, e disse estar preparado para ser o nome do centro nas eleições de 2022.

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta acredita que, com o avanço da vacinação entre pessoas na faixa dos 50 anos, o risco de sobrecarga no sistema de saúde diminuirá consideravelmente, permitindo uma retomada mais consistente da economia.

A análise do ex-ministro leva em conta que 80% das internações. na chamada 'segunda onda' da covid-19 no Brasil, envolveram pessoas acima de 58 anos, que acabaram superlotando os hospitais e levaram governadores e prefeitos a adotarem medidas restritivas.

“As medidas de contenção por aqui sempre foram pautadas pela lotação do sistema de saúde. Não fizemos medições prévias para não deixar o sistema colapsar. Mas esse quadro [de superlotação dos hospitais] não devemos ter mais. Vamos ter uma retomada gradual monitorando o vírus”, disse Mandetta durante reunião do Conselho Político e Social da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) nesta segunda-feira, 10/05.

No estado de São Paulo, o cronograma de vacinação coloca idosos com 60, 61 e 62 anos como prioridade atualmente, além de pessoas com idades entre 50 e 59 anos com comorbidades.

Apesar do alívio ao sistema de saúde esperado com o avanço da vacinação, o ex-ministro lembrou que estamos lidando com um vírus que sofre mutações facilmente, e que pode começar a afetar pessoas mais jovens.

“A infantilização do vírus é um problema. Ele muda, podemos ter surtos na infância e adolescência, e não temos  intensivistas preparados para atender a esses pacientes. O adoecimento de crianças e adolescentes pode ser grave”, disse.

Mas em sua palestra na ACSP, a pandemia foi assunto secundário. Mandetta é um dos nomes dos partidos de centro apontado como candidato às eleições de 2022. Ele deu ênfase a temas políticos e econômicos.

Disse que hoje a política brasileira está presa a pontos de vista antagônicos de “dois irresponsáveis que manipulam a população”, em clara referência à polarização Lula-Bolsonaro, embora não tenha citado o nome do ex ou do atual presidente.

Nesse cenário polarizado, Mandetta diz ser necessário uma nova via, que viria do centro. “Se o centro estiver fragmentado, poderemos ter no segundo turno um debate sobre quem se odeia mais. Vai ser duro. Vamos ver uma das campanhas presidenciais mais sórdidas da nossa história.”

O ex-ministro da Saúde afirmou ver as instituições nacionais muito tensionadas - o que coloca a democracia em risco. “Antes mesmo das eleições já se questiona a validade delas, com campanha pelo voto impresso, indicando que não aceitarão o resultado das urnas.”

Um cenário que espelha o que ocorreu recentemente nos Estados Unidos. “Isso faz parte de um raciocínio global que se propõe a destruir instituições, e implantar no lugar delas uma grande manipulação com ajuda de algoritmos”, afirmou Mandetta.

Segundo ele, a tensão entre o governo Federal e o Congresso torna difícil a construção de alinhamento em pautas importantes, como a da reforma tributária.

E apontou o ministro Paulo Guedes, da Economia, como um dos responsáveis pelo desgaste entre governo e Congresso. “O ministro da Economia melindra com tudo. Isso afasta qualquer possibilidade de uma reforma.”

A crise da covid-19, segundo o ex-ministro, tornou mais evidentes os problemas crônicos do país. Um deles foi a desindustrialização. “O país gasta US$ 40 bilhões com a importação de insumos para saúde, mas já produzimos muitos deles por aqui.”

A dependência da China, no caso dos fármacos, está sendo revista no mundo todo. Mas Mandetta vê o Brasil ficando para traz desse debate pela falta de coerência de sua política externa que, segundo ele, tem alinhamento com pessoas, e não com políticas que atendam aos interesses do país.

O ex-ministro da Saúde voltou a falar que aceitou ingressar no governo Bolsonaro porque foi prometido a ele um ministério técnico. “Mas na hora de exercer, queriam um trabalho político de baixa qualidade.”

Mandetta foi demitido do governo em abril de 2020, após uma série de desentendimento com o presidente da República sobre o enfrentamento da pandemia de covid-19. 

IMAGEM: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

FONTE:   Por Renato Carbonari Ibelli 10 de Maio de 2021 às 14:23

  | Editor ibelli.dc@gmail.com