Formulário de Consulta

CÓDIGO:    SENHA:   
(Acesso restrito)

AC Certifica

O que o dinheiro realmente significa para você?

Pesquisar as aplicações financeiras e fazer o orçamento é necessário na hora de avaliar o que fazer com o dinheiro, mas isso não garante que a decisão será 100% racional, ou acertada. Primeiro, é preciso saber o que o dinheiro, de fato, significa para você.

Isso porque as emoções influenciam as atitudes em relação ao dinheiro o tempo todo - ainda que elas não sejam percebidas pelas pessoas. Entender como isso ocorre é o desafio daqueles que estudam as finanças comportamentais

Uma pessoa de personalidade muito individualista e ao mesmo tempo otimista tende a enxergar o dinheiro como um meio de ter liberdade e, assim, dificilmente conseguirá poupar.

É o oposto do também individualista, mas pessimista, que vê no dinheiro uma forma de ter segurança contra imprevistos. De forma exagerada, ele tende a colocar recursos em aplicações bem conservadoras e de baixo retorno. 

JURANDIR MACEDO (FOTO: DIVULGAÇÃO) 

Esses dois exemplos foram descritos pelo especialista Jurandir Macedo, em palestra no 2º Congresso Brasileiro de Economia e Finanças Comportamentais na Fundação Getúlio Vargas, nesta semana.

Professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), consultor do programa de educação financeira do Itaú Unibanco e doutor em Finanças Comportamentais, com pós-doutorado em Psicologia Cognitiva pela Université Libre de Bruxelles (ULB), Macedo diz que o espectro de significados é mais amplo, mas os quatro principais são segurança, liberdade, poder e status.

Cada perfil foi traçado a partir de dois eixos: o das expectativas, que mostra como cada pessoa encara o risco, ou seja, se é otimista ou pessimista. 

O outro foi o da sociabilidade, que separa o indivíduo em dois grupos: entre aqueles que precisam da aprovação do outro para se sentir bem e, assim, são sociáveis; e os que se consideram valorosos independentemente da opinião alheia, que seriam os mais individualistas. 

A ideia é que a pessoa procure entender como suas diferentes motivações psicológicas e emocionais estão conectadas ao uso do dinheiro e, assim, ponderar essas questões na hora de tomar decisões. 

O fato é que seria doentio ter um foco exagerado em apenas um dos perfis de segurança, liberdade, poder e status. Trata-se de um exercício alternar entre eles em diferentes momentos da vida, ou de lutar contra uma tendência.

"Eu, por exemplo, estou inclinado a ter dinheiro para a segurança, porque isso está na minha história. Perdi meu pai cedo e tive dificuldades financeiras e, por isso, sou mais pessimista. Luto constantemente com o objetivo de avançar para o lado da liberdade. É preciso tentar", diz Macedo. 

Veja o significado que cada perfil atribui ao dinheiro e seus riscos:

SEGURANÇA

Para as pessoas que são individualistas e ao mesmo tempo pessimistas, o dinheiro representa a segurança - no caso, para protegê-las de um futuro hostil. Esse tipo de perfil é o de um poupador que prefere que ninguém saiba que ele tem dinheiro. 

O risco de quem é deste perfil é o de viver em privação, ou seja, abaixo da capacidade de sua situação financeira real. E quando se fala em investimentos, é a pessoa que coloca os recursos na aplicação de mais baixo risco e menor retorno.

"Quem tem foco exagerado em segurança, por exemplo, costuma acumular tanto para se precaver que chega um determinado momento que ter muito dinheiro passa a gerar insegurança", diz Macedo.

LIBERDADE

Quem é individualista - não precisa da opinião do outro para se sentir bem - e, ao mesmo tempo, otimista tende a enxergar no dinheiro a liberdade, ou seja, um meio de conseguir aproveitar a vida. Assim, não se preocupa com o dinheiro porque tem certeza de que terá mais no futuro. 

O risco que as pessoas com esse perfil correm é o de gastar muito e, assim, ficarem inseguras por não ter reservas para o futuro. É o tipo de indivíduo que gosta de jogo e de título de capitalização. No lugar disso, deve pensar em guardar para aposentadoria.

"Quem é assim precisa entender que, eventualmente, a verdadeira liberdade é ter equilíbrio financeiro", diz Macedo. 

O consultor diz que um jeito de se proteger, neste caso, é automatizar os processos de investimento de longo prazo, autorizando o gerente ou gestor a fazer aplicações automáticas. "Assim, a pessoa não precisa pensar, sozinha, em poupar recursos porque dificilmente conseguirá", diz. 

PODER 

O terceiro perfil é o da pessoa que precisa da aprovação dos outros para se sentir bem, mas é pessimista. É o indivíduo que precisa que todos saibam que ele tem muito dinheiro - mas ele não gasta, já que o poder vem desse fato. 

Uma vez gasto, o dinheiro deixa de representar poder. São pessoas que dedicam muito tempo para ganhar e guardar e tendem a ser pessoas difíceis, pois mascaram a insegurança com arrogância no trato com as pessoas. 

"O grande risco destas pessoas é o isolamento. Por terem dificuldade de compartilhar, essas pessoas tendem a afastar aqueles que se aproximam delas", diz o consultor.

O grande problema é que o dinheiro se transforma em coisas e, quando isso ocorre, deixa de proporcionar poder. Neste caso, a recomendação é tentar se menos pessimista e entender que mesmo esse poder tem limites antes de ofender as pessoas. 

STATUS

O último perfil é o de pessoas que precisam ser aceitas pelos outros e são otimistas. Para elas, o dinheiro é status, uma forma de mostrar o seu sucesso e valor. São pessoas que além de gastar precisam divulgar que estão fazendo isso.

O risco para quem é assim é o de se sentir sempre insatisfeito. "São clientes de banco que não se preocupam em pagar altas taxas desde que sejam muito bem atendidos. Eles se comparam com os outros e ficam insatisfeitos quando percebem que há mais pessoas vivendo em patamar superior", diz o consultor. 

Ele avalia que é o tipo de pessoa que pode assinar a autorização para uma aplicação sem ler direito, por achar que o gerente a trata de forma diferenciada. Além disso, sempre busca um tratamento melhor e é volúvel. Assim, corre o risco de mudar muito de instituição e de aplicações, o que pode ter impacto no rendimento. 

"É a pessoa que precisa repensar a própria noção de status e buscar equilíbrio dentro de casa, ou em grupos mais restritos", afirma.

FOTOS: Thinkstock e Divulgação

Fonte: http://www.dcomercio.com.br/categoria/financas/o_que_o_dinheiro_realmente_significa_para_voce?utm_content=buffer7901f&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer



<< Voltar

CONVÊNIOS

  • Accertifica
  • São Francisco - Saúde
  • Unimed
  • Uniodonto
  • São Francisco - Odontologia
UTILIDADE PÚBLICA

  • Horário do Comércio
  • Código de defesa do consumidor
  • Movimento das associações comerciais
CLIMA
PARCEIROS

Boa vista Facesp Prefeitura municipal Banco do povo Paulista PAT CACB Ponto C Sebrae SP Uni Castelo Sicoob Instituto PROE Descalvado NEWS
REDE SOCIAL

Impostometro

Acesse www.impostometro.com.br e veja as arrecadações por estado ou município.

Logotipo rodapé ACI Descalvado